Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

MARÉ ALTA

porque a liberdade está a passar por aqui

HTML tutorial

Politica de Privacidade, Contra as Cookies, Marchar, Marchar!

maxresdefault.jpg

 

 

Há uns meses saiu a alteração à lei da política da privacidade.

Alguém achou que a malta que gere a internet estava a recolher demasiada informação e mais do que isso, a partilhá-la com terceiros para tirar disso dividendos e pior, a deixar que gente desconhecida “roube” os dados dos seus arquivos.

Bom, a lei diz que os sítios da internet só podem recolher dados que o utilizador aceite ceder.

E em teoria parece-me tudo muito bem, eu só partilho informação se me perguntarem e se eu achar por bem ceder.

E logo que saiu isso, as caixas de correio electrónico foram invadidas por dezenas de sites por onde passámos nos últimos anos, alguns deles que já nem me lembrava.

Acolhi esses emails com optimismo, aquele optimismo de que metade do que ia para a caixa de spam, o tal correio não desejado, agora deixava simplesmente de aparecer.

Só que não, a caixa de spam continua cheia de outros sites que nunca visitei…

Mas nem é isso que me inquieta porque a caixa de spam está lá a cumprir o seu propósito. O que me inquieta são os sítios da internet.

A partir da alteração à lei, cada vez que entras num sítio pela primeira vez, pede-te se aceitas cookies. O “SIM” vem numa caixa enorme e se carregares no “sim”, assim de caras, estás a aceitar que esse site recolha os teus dados, que os use sob pretexto de te prestar um melhor serviço, mais personalizado que é como quem diz, apontar a ti anúncios com maior probabilidade de serem comprados e como tal, sucesso do site, e usar os teus dados para os ceder/vender a terceiros.

No meio da lengalenga que antecede o megalómano “sim”, aparece uma palavra com um link que te leva para opções de cookies.

A primeira opção não é opcional. Diz lá que são cookies fundamentais para o funcionamento da página o que é mentira, nenhuma página precisa de cookies para funcionar, pode é perder a memoria que o sujeito por lá passou.

Depois há uma opção intermédia, cookies de terceiros, e por fim cookies de publicidade.

Há sites em que estas opções aparecem com uma espécie de interruptor geral que desliga ou liga tudo, mas há outros sítios que é uma espécie de calvário e complicam tudo de modo a que desistas.

No último patamar, o comercial, fazem-te “desligar” as cookies uma a uma, de centenas de parceiros comerciais. Eu contei, são 429 parceiros comerciais.

Podes aceitar todos em pack ou “aceitar individualmente” só que se pressionares neste botão, eles aparecem aceites por defeito e o teu trabalho é desligar um a um e não há nenhum botão a dizer “desligar todos”.

 

Basicamente, mudaram a lei, mas os sites comportam-se como os restaurantes que metiam as entradas na mesa e depois, comidas ou não, cobravam-nas. Comece se quisesse que elas estavam lá para isso mesmo…

 

Lá aparece um ou outro que cumpre o princípio da lei, mas por norma, complicam tanto o sistema que quase forçam a o utilizador a aceitar sob pena do não uso da página ou de constantes pop-ups.

 

O princípio da lei é que o utilizador por defeito não aceita nada, e perguntando se aceita, escolhe o que quer aceitar e não o inverso.  Os utilizadores estão a ser coagidos a aceitar e muitas vezes nem sequer sabem o que estão a aceitar, uns por desconhecimento, outros por falta de paciência, mas por isso mesmo, e porque aceitar tem influencia na vida virtual mas também na real, devia ser de lei que é proibido recolher dados excepto de o utilizador, de forma clara e consciente, escolha ceder os seus dados.

Assim, lá tive de instalar um addon ao browser para bloquear cookies…