Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

MARÉ ALTA

porque a liberdade está a passar por aqui

São rosas, Senhor! São rosas...

 

Reza a lenda que Isabel de Aragão, rainha de Portugal, numa manhã de inverno saiu do seu castelo para dar pães aos pobres. Pelo caminho cruzou-se com El Rei D. Dinis que ao vê-la a questionou :”Que levais ai no regaço do vestido?” A rainha prontamente respondeu: “são rosas, Senhor! São rosas…”. O Rei desconfiado retorquiu: “Rosas? Em Janeiro?” E ela expos o que no regaço do vestido trazia e ali se viram rosas.

A Rainha Santa Isabel conseguiu com um milagre ocultar os pães, mas milagres são coisas de outros tempos…

Hoje, tentam-se o mesmo estilo de milagres, da ocultação, mas dão-lhe outro nome: Estatística.

Quanto era aluno de estatística, uma frase ficou-me na memória: “Da estatística, extraímos os resultados que nos interessam e nos são convenientes. Mas este (des)Governo vai mais além e transforma ideologia em estatística.

O caso que melhor ficou na memória foi com Vítor Gaspar e as suas famosas tabelas de Excel que insistiam em projectar mais e melhor do que todos os outros e acabavam invariavelmente em revisões, novamente carregadas de optimismo.

Tinha com toda a certeza um computador sonhador e bem-disposto!

Mas mais recentemente Passos Coelho conseguiu transformar uma injecção de capital no BES numa irrevogável operação estatística. Defendeu até que essa “estatística” estaria a render juros, esquecendo-se de dizer que nós, os números das folhas de Excel, estamos a pagar por essa “estatística”. É que esse capital veio pela mão da Tróica para salvar a bancocracia, mas veio a troco de juros…

A notícia desta semana é mais um milagre… perdão, manobra “estatística”. Depois de auditada a PARVALOREN, que é a tradição para uma língua esquecida de “Povo Parvo”, acolheu nas suas contas o prejuízo do BPN para que este não fosse contabilizado no défice publico.

Depois de vender o país, aumentar impostos, tornar a população portuguesa em paupérrimos cidadãos, depois das SWAPS, do BPE e BES, quantas mais operações de simples estatística tem este Governo escondidas?

Passámos 4 anos a assistir a ilusionismo estatístico. É tempo de acabar com ilusões.

                               É tempo de avançar.