Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

MARÉ ALTA

porque a liberdade está a passar por aqui

Roupa Velha

 

Estava hoje sentado na última fila da II Convenção Cidadã e sem mais nem menos surge-me na cabeça “Roupa Velha”.

Ao contrário de boa parte da população portuguesa, eu passo bem sem bacalhau e de qualquer das formas, o natal ainda vem longe.

Fui imediatamente levado para a aula virada para a psicanalise em que o professor explica como “ler” o significado dos sonhos. Contou ele que em determinada altura uma paciente sonhava insistentemente com ela própria a passear junto de um rio em Bruxelas. Aquilo não faria qualquer tipo de sentido uma vez que nunca tinha estado, ou planeava, ir a Bruxelas.

Concluiu então que o resultado da sua análise, não era Bruxelas mas sim Bruxas elas, no caso as suas tias que lhe faziam a vida difícil.

E roupa velha?

Foi francamente mais fácil de perceber ou pelo menos atribuir-lhe sentido.

Roupa velha é uma receita que tradicionalmente se faz depois do natal com as sobras do bacalhau e couves da noite de natal.

O bacalhau é o mesmo, tal como as couves. A receita é que é outra, tal como a sua apresentação.

Tal como a roupa velha, as politicas dos velhos partidos são exactamente as mesmas. Fazemos piadas sobre o discurso extremamente coerente do PCP ao ponto de se usar a expressão “K7 Cunhal”, mas a verdade é que os outros, com melhores ou piores oradores, com uma estratégia mais ou menos assertiva, com a vedeta do momento ou a ovelha choné do momento, acabam por dizer precisamente o mesmo que disseram há quatro anos atrás. Aliás, pior que usar ideias iguais é exercer o mesmo tipo de política que sabemos não resultar.

Eu que não sou grande apreciador de bacalhau fiquei aliviado por estar naquela ultima fila daquela convenção de que nenhuma televisão se interessou por reportar. Estava ali rodeado de gente com ideias frescas e desempoeiradas. Gente com vontade de fazer mais, melhor e sobretudo diferente. Gente que leva pizza aos jornalistas, gente que atravessa o país de bicicleta, gente que anda numa Ford transit de cidade em cidade, gente que luta diariamente por uma oportunidade para explicar o que somos, quem somos e o que propomos.

Que bom é saber que estou com pessoas de todas as idades e que não tenho de comer roupa velha!

Obrigado.