Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

MARÉ ALTA

porque a liberdade está a passar por aqui

Passos Coelho, a última bolacha do pacote!

 

 

Temos vivido nos últimos 9 dias o que nunca vivemos em 40 anos, os processos democrático de formação de governo a funcionar.

Os comentadores, sejam pela direita ou pela esquerda, fartam-se de opinar com os mais diversos argumentos. Está neste preciso momento Eurico Brilhante a dizer, imagine-se, que em virtude da PaF ter recebido um maior numero de votos, o PS tem de aceitar algo que nunca se viu, abdicar do seu direito de oposição formal que é como quem diz, podem reclamar muito mas têm de se abster no parlamento.

Santana Lopes, no seu estilo imponderado do costume opina no mesmo sentido mas com argumento mais light “epá a PaF teve mais votos, eu metia-os no Governo e depois logo se vê no que dá…”.

Outros são efectivamente conservadores e apreciadores da tradição. Como a esquerda nunca se uniu, assume-se como normalidade e tudo o resto é aberração. Quem se coliga é a elite de direita, uns betos muito mais civilizados. A plebe não faz ideia do que isso seja… modernices…

Já Marques Mendes apela ao medo que os cidadãos não tiveram quando votaram. Diz ele que uma coligação de esquerda será o apocalipse luso. Faltou a parte dos comunistas comedores de criancinhas mas se calhar não lhe apeteceu ir tão longe não se desse o caso de alguém acreditar.

Depois temos o pináculo da criação, Durão Barroso. Diz o inteligente que quem votou PS não votou BE ou PCP. Verdade, verdadinha! Mas quem votou PS não votou PaF e a PaF precisa de alguém para governar ou precisa que no momento das votações todos os outros grupos parlamentares estejam na fila do café. Curiosamente seria interessante dizer ao Cherne que de um lado votou-se a favor da austeridade e do outro votou-se CONTRA a austeridade.

A última hipótese é recorrerem a Cavaco Silva mas o senhor já está reformado, a sofrer de um downgrade de fim de mandato e sem muito mais peças no tabuleiro para mover. E que faria ele? Empossava Passos Coelho com 38% para logo cair? Metia o PS de castigo contra a parede e a escrever na ardósia 1000 vezes “A estabilidade é austeridade!”? Inventava uma regra de ultima hora para se manter tudo na mesma?

Mas pior que estes são os mais ou menos camuflados de direita dentro do PS que agora aparecem a atacar como podem António Costa e alguns até se aninham no grupo dos Seguristas. De recordar que muitos destes, há pouco tempo não queriam ter nada que ver com António José Seguro, na altura o derrotado.

Naturalmente que falta aqui a ultima bolacha do pacote. Pedro Passos Coelho, o austero, um rapaz jovem e de boa aparência que até engatou a miúda da moda, uma das Doces e que tinha a mania que queria ser actor. Saiu-nos o artista na rifa que aplicou medidas para alem da austeridade pedida pela troika, vendeu o país em promoção, vendeu a cidadania por Vistos Gold, vendeu-nos o futuro, tenta mudar a ideologia do país contra a vontade dos portugueses, tenta ignorar constantemente a Constituição da República Portuguesa.

Ao fim de 4 anos faz-se às eleições sem qualquer proposta apresentada para os próximos 4 anos. Perde a maioria e faz de uma das maiores derrotas do PSD uma vitória ou não fosse a ultima bolacha do pacote, a mais desejada!

Reúne-se com António Costa com as mãos nos bolsos à espera de uma postura submissa por parte dos socialistas e vendo não ser essa a verdade, sai de lá de sorriso no rosto a dizer que para a próxima iria trazer “uma proposta mais atrevida”.

Se assim o disse, melhor o fez. Agarrou no programa do PS e levou-o para a reunião!

“Pah, vamos fazer o seguinte: Nós formamos Governo com o vosso programa e depois passam os próximos 4 anos a recordar a sitcom da BBC e depois de eu falar vocês respondem :“Yes, Prime Minister” e eu responderei: “Seat UBU seat. Goog dog!”.

Naturalmente que António Costa o mandou vender fraldas para a feira do relógio e a ultima bolacha do pacote saiu da reunião de voz tremula, derrotado, e a pensar “Como é que eles não me querem a governar este país…”.

A malta já não quer esta bolacha que na verdade já nem sequer tem boa pinta. Não há muitos a envelhecerem como o Sean Connery ou George Clooney. A malta agora quer é pacotes de bolachas sortidas, boas e que façam bem à saúde e à educação.

Passos, vai e não voltes! (E leva o Portas contigo)