Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

MARÉ ALTA

porque a liberdade está a passar por aqui

Nero ri-se

 

Do alto da sua imortalidade, Nero ri-se. Com preverso prazer vislumbra as labaredas a varrerem Portugal. Cada nova frente, cada coluna de fumo, é um bálsamo para o incendiário. E a cada gargalhada do pirómano, nova chaga se abre no país, que se pinta de cinza. Algumas gangrenam. Como que apodrecido, o país jaz.

 

Sentimos a impotência, a estupidez e a maldade a cada novo incêndio que deflagra. E a contínua conversa de que é preciso é coiso, e tal, e mais não sei quê. Mas nunca se coisa, nem tal, nem não sei quê... A cada ano se repete a mesma desgraça. São feridas na natureza que dificilmente sararão; património insubstituível; vidas perdidas e famílias desmembradas; projectos em suspenso. E uma aposta ambiental no país permanentemente em causa.

 

Mas temos a legislação, alguns meios e muita experiência. O que falta então? Falta que das palavras passemos à acção. Que os incêndios não sejam tema de conversa apenas no Verão, mas que se comecem a prevenir logo no Inverno. Passa por equipar e dignificar os bombeiros, sejam eles voluntários ou sapadores. Eles que são de uma entrega e dedicação inesgotável. Falta, essencialmente, pensar e executar o ordenamento do território, com especial ênfase no planeamento das nossas florestas. E coragem política para encarar os interesses instituídos.

 

Se nada for feito, Nero continuará a rir. Pensando que onde os romanos falharam pela força do gládio é agora facilmente subjugado pela força do fogo.72. Nero Ri-se.jpg