Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

MARÉ ALTA

porque a liberdade está a passar por aqui

Heil Pedro Passos Coelho

image.jpg

 

 

Vamos ser rigorosos: a aplicação da nossa legislação que regula o acesso de estrangeiros nunca foi de larga aplicação. Lembro-me, na altura que António Guterres ser Primeiro-Ministro falar-se sobre o tema de existirem muitos ilegais e a solução ter sido abrir um período de legalização “extra” e que basicamente bastava ir lá dar o nome e passava a ter visto de residência.

Entretanto, como falei no artigo anterior, a fiscalização não abunda por terras lusas, de Guterres até hoje, passaram Durão, Santana, Sócrates, Pedro Passos Coelho e agora António Costa, e não consta que a violência perpetrada por imigrantes tenha aumentado.

Temos problemas sociais que são problemas do país e tocam a todos os cidadãos, mas não tem relação directa com imigração.

Pedro Passos Coelho, uma pessoa de quem se espera elevada responsabilidade nas palavras porque foi Primeiro-Ministro e que é o líder do, ainda, maior partido de oposição, cola-se ao discurso de André Ventura, atirando-se aos que têm sido marginalizados como sendo os malfeitores do país.

Pedro Passos Coelho anuncia, como fez no passado em que vinha aí o diabo, que teremos um futuro negro pela frente, porque seremos invadidos por imigrantes.

Não passa de um discurso populista a encostar-se cada vez mais ao PNR e quando se pensava que o espaço vago no espectro politico seria entre o PCP e o PS, é afinal entre o PS e o PSD que se encontra agora à direita do CDS.

Pedro Passos Coelho embarca no discurso de Trump, Boris Johnson ou Marine Le Pen em que na falta de um plano alternativo de Governo, cria um inimigo minoritário que não afecta muito o numero de votos, mas que alimenta e se alimenta do medo ao desconhecido.

 

Para um país que deu a conhecer novos mundos ao mundo, para um país que tem tantos emigrantes espalhados pelo mundo, primeiras, segundas e terceiras gerações, muitos deles empurrados pelo próprio PPC, só não tendo escrúpulos, responsabilidade e seriedade é que pode embarcar neste tipo de discurso populista e pré-xenófobo.