Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

MARÉ ALTA

porque a liberdade está a passar por aqui

Desenvolvimento do Turismo ou Turismo para o desenvolvimento?

Segundo os último dados, a indústria do Turismo em Portugal é fundamental para equilibrar as contas públicas nacionais.

A verdade é que nos último anos o Turismo tem estado sempre a crescer em Portugal. Soubemos por exemplo reagir  à instabilidade no norte de África que fez com fossem "desviados" para Portugal centenas de milhares de turistas, com destaque para os franceses, que habitualmente escolhiam o continente vizinho para as suas férias e que dada a insegurança preferiram vir para Portugal, um destino seguro e igualmente barato.

Se neste tempo de crise o objectivo foi subir receitas a qualquer custo, através do Turismo de massas e de low-cost's, a verdade é que esse é um modelo insustentável a médio-longo prazo.

Proponho por isso que se passe, enquanto esta atividade está em "alta", de políticas de Desenvolvimento do Turismo para políticas de Turismo para o Desenvlvimento.

Parece não haver muita diferença, mas ela existe e é fundamental. Existem ainda regiões que se podem desenvolver através do Turismo, mas para isso é necessário que haja políticas que beneficiem o trabalho local e os direitos do trabalhadores, o respeito pela história e pelo património locais (não vale destruir para construir torres de apartamentos iguais às do resto do mundo), o respeito pelo património imaterial, opondo-o à massificação do gosto que faz com que todo o mundo pareça igual, o realçar pela especificidade de cada região, o respeito pelo direito dos locais de viverem nas suas terras, não sendo "obrigados" a sair das mesmas para se construírem hotéis e hostals, entre muitas outras políticas já estudadas e testadas noutras paragens como o investimento em Turismo Cultural, Ecológico, Inclusivo, Desportivo, Religioso...

O que hoje parece ser uma boa notícia só o será se soubermos lidar e gerir o sucesso desta indústria em prol dos cidadãos, ou acabamos todos funcionários precários de um grande parque de diversões nacional que entrará em falência assim que surja outro parque igual noutro país mais barato.

Temos de evoluir para colocar o Turismo ao Serviço do país e deixar de pensar que tem de ser o país ao Serviço do Turismo.