Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

MARÉ ALTA

porque a liberdade está a passar por aqui

A Volta é bonita, pá!

Volta no Montijo 2016.jpg

É claro que a festa da Volta só podia ser bonita, pá! Debaixo do tórrido Sol, lá me desloquei com o meu filho para assistir à passagem do pelotão. Escolhemos a Rotunda das Portas da Cidade. E à sombra de Nuno Teotónio Oliveira esperámos…

 

A Volta a Portugal este ano decidira brindar o distrito de Setúbal, passando pelas suas estradas. O concelho do Montijo não ficou de fora; a cidade, sim. Naquele segmento de estrada, talvez estivessem presentes uma ou duas centenas de pessoas para saudar os ciclistas. Houve palmas e assobios. E até algumas tochas por parte de meia dúzia de elementos da claque do Olímpico do Montijo, que estenderam na relva a sua faixa onde se podia ler – Orgulho Aldeano. Fica no ar a pergunta como seria se a Volta tivesse dado uma volta pelas ruas da cidade? Depois chego a casa e ligo o televisor, constatando que à passagem por dento da Vila de Palmela, as ruas estavam completamente apinhadas de populares. Deu para ficar com uma ideia da resposta.

 

Mesmo assim, repito, a festa da Volta foi bonita, pá! Passou um grupo de cerca de uma dezena de corredores em fuga. Após 3 ou 4 minutos, o pelotão. A velocidade era elevada. Como uma seta passaram por nós e desapareceram em direcção ao Pau Queimado. Atrás muitos carros e buzinas. Da Astana, Da Caja Rural, da Armeé de Terre, mas também do Porto, do Sporting e da Efapel. Muitos a enganarem-se na saída na rotunda. E o popular, solícito e pronto a ser atropelado, a bloquear a rotunda gritando para os carros “é por ali, por ali!”, nunca deixando de berrar essas palavras, mesmo quando os carros já estavam a efectuar a manobra de marcha à ré.

 

Possivelmente, nenhum outro desporto se confunde tanto com a cultura popular. Na sua variante de estrada, o ciclismo promove a interacção com as comunidades, pondo no mapa muitas localidades esquecidas. As pessoas que assistem da beira da estrada sentem a bravura do ciclista e o fervor de cada pedalada. Envolvem-se nesse esforço numa comunhão perfeita. Oferecem água, comida e uma ou outra “desnecessária” palmada. Calor do momento. Mas acima de tudo oferecem incentivo. Muito incentivo, que invariavelmente fazem com que os ciclistas se suplantem.

 

Tudo isto é Volta. Faço votos que continue a passar por estradas montijenses, ou perto. Certamente que marcarei presença.

 

Montijo, 6 de Agosto de 2016

3 comentários

Comentar post