Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

MARÉ ALTA

porque a liberdade está a passar por aqui

Feira Dona Edite 3.0

O momento chegou em que Dona Edite, mulher honrada e esposa de pescador, se fez Feira. Não uma Feira qualquer, não senhora. Antes uma Feira Independente. Plena e pujante e fértil e inteira. Que isto de arranjar as sobrancelhas e fazer o buço era questão de grande importância e merecia um evento à altura. Portanto, emancipou-se, cortou amarras e zarpou rumo ao imenso desconhecido cultural.

 

Expurgam-se os tempos, expurgam-se as vontades. Espera lá; será mesmo assim? Pouco importa… Dona Edite adapta-se e é agora jovem, cosmopolita e intelectual. E independente, pois claro! Com destreza urde a rede que apanha as diferentes formas culturais e as interliga.

 

No próximo dia 17 de Dezembro de 2016, Dona Edite completa o seu terceiro semestre. Será que equivale a bacharelato? Possivelmente. Muitos já estariam licenciados, com equivalências que a pouco equivalem. Mas Dona Edite não afina por esse diapasão. Seu objectivo é o conhecimento perpétuo, a cultura infindável. Cruzar erudição e profano no aconchego do Montijo.

 

Nesse sábado haverá música e literatura, desenho e ilustrações, editoras independentes e tertúlias sobre o fenómeno do associativismo cultural. Tudo em rede, de malha fina, para ninguém cair, para nada ser desperdiçado. Acima de tudo Dona Edite será espaço de convívio e de encontro da cultura independente vulgarmente apelidada de “underground”. Mas nesta terra gostamos mais de chamar-lhe “underriver”, pois das águas do Tejo vem riqueza, origens e saber.

 

Dona Edite é oportunidade. De conhecimento, de encontro; de compra e de venda; material e cultural. É alimento para o espírito e enriquecimento para a mente. É redesenhar limites e projectar utopias. É construção de edifício cultural em tempo real. É persecução de uma identidade cultural cosmopolita para Montijo. Mas é também o enorme desafio, e a brutal coragem dos seus organizadores, de fazer uma Feira Independente nesta pacata cidade, que ainda se sente Aldeia Galega.

 

Portanto já sabem, sábado, dia 17 de Dezembro de 2016, entre as 14h e as 20h, todos ao espaço da Primeirinha, da Sociedade Filarmónica 1.º de Dezembro, à Praça da República, em pleno coração da cidade do Montijo. Instituição secular da cultura associativa do nosso município. Que demonstra claramente como 162 anos de história podem, simultaneamente, ser tão actuais. A Dona Edite dá uma mãozinha. A nós cabe participar de corpo e alma.

 

Mas enganem-se se pensam que isto fica por aqui… É o tempo de comer uma caldeirada à pescador, retemperar forças e voltar fora de horas e Fora de Portas. Sim, porque a cultura não se deve confinar a barreiras físicas. As paredes não são mais que um estado de espírito e condição temporária e perecível. Nesta edição 3.0, Dona Edite expande horizontes. Bateu à porta dos vizinhos, que amavelmente acederam. A partir das 23h faz-se ouvir em casas da noite montijense com créditos já firmados. Porque música também é cultura, O TimeOut Montijo e o Timila das Meias servirão de porto de abrigo. Para ouvir e conviver. O farol cultural estará ligado. Deixem-se guiar, caiam no engodo. E respondam positivamente à chamada.

 

Montijo, 12 de Dezembro de 2016

Dona_Edite_3.0.png

( podem consultar o programa aqui: Feira Dona Edite 3.0)