Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

MARÉ ALTA

porque a liberdade está a passar por aqui

Maria Oferece Belém a Marcelo

 

 

Ao contrário da grandiosidade de Sampaio da Nóvoa que acolheu a sua derrota ao mais elevado nível democrático, eu não considero que esta vitória, a de Marcelo Rebelo de Sousa, acrescente algo de positivo ao país.
Não preciso repetir todos os argumentos que apresentei aqui nos últimos tempos. Resta-me apenas aceitar o resultado, estar atento e desejar que Marcelo Rebelo de Sousa me engane e represente mais do que Portugal, os portugueses que hoje o elegeram.
Mas como ganhou Marcelo Rebelo de Sousa à primeira volta?
A resposta óbvia é que sempre existiu essa probabilidade através de anos e anos a fazer campanha dissimulada de comentador.
No dia 18 de Janeiro escrevi que “Maria de Belém foi ao fundo!” e efectivamente não me enganei. No entanto nunca imaginei que fosse TÃO ao fundo e no processo deturpasse tanto os resultados eleitorais.
Como ela chegou aqui já sabemos. Henrique Neto nunca seria apoiado pelo PS, Sampaio da Nóvoa não era parte dos quadros do PS e António Costa esperava por António Vitorino ou António Guterres. Nenhum deles se disponibilizou e a ala, talvez mais de Assis do que de Seguro empurrou Maria de Belém para as presidenciais. Agarraram numa senhora sem carisma, sem presença e que não causa empatia e talvez esperassem que por ser da gerigonça socialista, ela teria o apoio do partido. António Costa ficou entalado entre a sua opção, e de muitos socialistas, por Sampaio da Nóvoa e uma candidata saída da pretensa oposição interna.
Ficou assim numa tentativa de ficar bem com Deus e com o diabo.
A bomba das subvenções estourou nas mãos de Maria de Belém e passou de uma sondagem que lhe dava perto de 20% para um resultado de 4,24%. Maria de Belém não teve uma derrota, teve um desastre!
Mas se nessa altura Marcelo tinha 52,5% e hoje venceu com 52%, para onde foram os votos de maria de Belém?
Sobretudo para três candidatos. Que mais beneficiou foi sem margem para dúvidas Marisa Matias. Passou de uma sondagem de 4,8% para um resultado de 10,13%. Outro beneficiado foi Tino de Rans ou se preferirem Vitorino Silva que de uma sondagem de 0,2% conseguiu 3,28% a morder os calcanhares ao candidato do PCP, Edgar Silva.
En passant o PCP na pessoa de Edgar Silva foi o 2º maior derrotado destas eleições onde nem sequer o seu eleitorado tradicional votou no seu candidato. Por muitas voltas que queiram dar ao texto, esta é uma noite de derrota e mais uma vez, o Bloco capitalizou mais e melhor.
Sampaio da Nóvoa, naturalmente que absorveu muitos dos votos de Maria de Belém correspondendo ao repto de António Costa para que os socialistas votassem num dos dois candidatos. De 16,9% na sondagem conseguiu conquistar 22,89% dos votos. Para uma candidatura independente foi um enorme feito.
Por fim, é preciso responsabilizar directamente Maria de Belém por não se concretizar uma segunda volta. A verdade é que na sua vontade de não abdicar dos seus direitos e assinar um pedido ao Tribunal Constitucional para analisar o corte das subvenções vitalícias, uma percentagem dos seus votos saltou para Marcelo Rebelo de Sousa.
Marcelo Rebelo de Sousa foi eleito na primeira volta por uma margem de 24 104 votos num universo de 4 737 273.
Podemos também apontar o dedo aos 52% que não se deram ao trabalho de participar mas esses não iriam participar de qualquer forma.
Maria de Belém não chegou a Belém mas ajudou Marcelo a chegar lá.
De ora avante estaremos atentos ao trabalho do novo Presidente da República e aqui estaremos para denunciar cada passo em falso que dê da mesma forma que aqui estaremos para elogiar o que for de elogiar.