Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

MARÉ ALTA

porque a liberdade está a passar por aqui

Pragmatismo Ideológico

 

 

Conceito de Ideologia: Conjunto de ideias, convicções e princípios filosóficos, sociais, políticos que caracterizam o pensamento de um indivíduo, grupo, movimento, época, sociedade.

 

Recentemente o ainda Presidente da República referiu-se à vitoria do pragmatismo sobre a ideologia. Mais um inconseguimento da sua parte uma vez que o que venceu foi a sua ideologia face a outra que se não é oposta é com toda a certeza bem diferente.

Este tipo de argumento vinga numa sociedade que se tornou politicamente analfabeta e que considera a política como um antro de malandros corruptos e não como deve ser considerado, um grupo eleito pelo povo para, com base na sua ideologia, nos gerir o presente e projectar o futuro.

O futuro não se faz com o “tio” que aparece todos os domingos à hora de jantar que é simpático e vai opinando feito cata-vento. Marcelo Rebelo de Sousa tem em si uma carga ideológica que NUNCA fará dele o presidente de todos os portugueses, tal como o actual.

Ainda não passaram 4 meses desde que Marcelo Rebelo de Sousa apoiou Pedro Passos Coelho e a PaF apesar de muito ter criticado os 4 anos anteriores.

O Projecto “Cidade Sonae”, que passou vários mandatos na gaveta do Presidente da Camara Municipal de Sintra por opção ideológica, saiu agora da gaveta pela mão de Basílio Horta em resposta à sua ideologia politica e ainda não avançou porque apesar da sua ideologia tem sido sensível à quantidade de pessoas que apresentaram feedback negativo ao projecto.

Quando se opta por salvar um banco ou vários em detrimento de pessoas, não é pragmatismo, é uma opção ideológica.

Pragmatismo aconteceu em 1938. A ideologia nacionalista estava em voga um pouco por todo o mundo e Hitler ocupou a Áustria em Março de 1938. Por uma pragmática política do apaziguamento a Europa nada fez e logo depois Hitler exigiu a região dos Sudetos, na Checoslováquia. Pragmaticamente o território foi concedido pela França e Reino Unido no Tratado de Munique. Esta situação é em tudo igual à actual situação na Crimeia. Em pouco tempo, e apesar do dito Tratado, a Checoslováquia estava totalmente anexada pela Alemanha.

O pragmatismo europeu só acordou a 1 de Setembro de 1939 quando a Alemanha invadiu a Polonia.

Não estou aqui a tirar o valor do pragmatismo. Uma ideologia é um caminho a percorrer com base em determinados critérios. A sociedade nunca ou quase nunca se apresenta propicia a uma única ideologia e por isso o caminho não se apresenta como uma recta isenta de obstáculos. Com pragmatismo é preciso interpreta-los e contorna-los do melhor modo sem perder de vista o horizonte.

Voltando ao início, e fechando o ciclo, a grande questão reside num imenso analfabetismo ideológico e na doce tentação de uma ideologia que se alimenta do sucesso de poucos às custas da miséria de muitos, um típico sonho americano.

Sendo eu pragmático, não tenho o objectivo de explorar aqui ideologias nem sequer tentar demostrar a melhor. Para isso, recomendo um pequeno livro de leitura rápida e fácil de compreender: “Esquerda e Direita: Guia Histórico para o Século XXI” de Rui Tavares.

Também neste livro, o objectivo não é convencer ninguém a optar por esta ou outra ideologia mas sim apresenta-las nas suas diversas dimensões.

 

As caras bonitas são para aparecer na televisão e nas revistas. Gente simpática é boa para o convívio no café ou mesmo em nossas casas. Do nosso presente e para o nosso futuro, ainda que por vezes com o pragmatismo necessário, é a ideologia que nos norteia o voto.